5G obrigará milhões de brasileiros a trocar suas parabólicas Troca será motivada por mudança de faixa de frequência.

5G obrigará milhões de brasileiros a trocar suas parabólicas Troca será motivada por mudança de faixa de frequência.

O 5G chegou oficialmente ao Brasil no começo da semana passada, com o sinal disponível atualmente no Distrito Federal. A conexão é 20 vezes mais rápida que o 4G, e deve impulsionar o uso de smartphones em território nacional. Entretanto, o 5G pode prejudicar cerca de 10 milhões de famílias brasileiras que assistem TV aberta através de parabólicas.

Resumindo, o problema é que as parabólicas no Brasil transmitem seus dados por banda C, que atua na frequência entre 3,7 GHz a 6,45 GHz. O 5G opera na frequência 3,5 GHz. A proximidade dessas frequências causa interferências na imagem e som dos televisores, apesar do 5G para celulares não ser afetado.

A banda C atual das parabólicas vai deixar de existir em 18 meses, com a transferência de dados dessas antenas passando para a banda Ku. Isso significa que quem depende de parabólica para assistir televisão terá que trocar seus aparelhos por novos dispositivos que operem na banda Ku.

Segundo a EAF; Empresa Administradora da Faixa, formada por Claro, Tim e Vivo; 20 milhões de domicílios que assistem TV aberta no Brasil por parabólica terão que trocar seus receptores de sinal.

Para famílias cadastradas no CadÚnico, um cadastro de pessoas de baixa renda do governo federal, é a EAF que cobre a troca de aparelhos. Mas 10 milhões de famílias terão que bancar a substituição sozinhas, como determinado pelo edital do 5G.

Por outro lado, a Anatel trabalha com outra estimativa baseada na pesquisa do IBGE de 2019, que indica que o número de famílias afetadas pode ser menor. Segundo a agência, 18 milhões de domicílios brasileiros poderão enfrentar o problema.

Mas “esses dados devem ser entendidos como estimativas, porém podem não representar a realidade atual, considerando que temos uma expectativa de declínio no número de  uso de parabólicas com o tempo”, prevê a Anatel.

Para quem usa parabólica e está registrado no CadÚnico, a dica é procurar o serviço Siga Antenado. O serviço foi criado pela EAF para distribuir os kits às famílias de baixa renda, e pode ser acessado pelo site ou pelo telefone 0800 729 2404 para agendamento da troca.

Já quem precisar fazer a mudança com o próprio dinheiro, o preço inicial do “kit banda Ku” (que inclui antena, receptor e fiação) é de R$ 400 em sites especializados. Mas vale apontar que a interferência do 5G varia com a posição da parabólica e a distância de estação de 5G para a antena.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário