Assembleia Legislativa aprova criação do Auxílio Cuidar do Governo do Estado

Assembleia Legislativa aprova criação do Auxílio Cuidar do Governo do Estado

A Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou, na terça-feira (6), o Projeto de Lei 323/2021, de autoria do Poder Executivo, que cria o Auxílio Cuidar para crianças e adolescentes órfãos de pai ou mãe biológicos ou por adoção, em razão da Covid-19. A aprovação foi por unanimidade e, agora, segue para sanção do governador Flávio Dino. O novo auxílio será coordenado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedes).

O secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Márcio Honaiser, destacou a importância do Auxilio Cuidar, que será um importante instrumento de amparo às crianças e adolescentes em orfandade. O auxílio tem por objetivo contribuir para a garantia do direito à vida e à saúde, bem como acesso a alimentação, educação e lazer.

“Recebemos a missão de gerir mais este importante auxilio, que visa amparar crianças e adolescentes na orfandade devido ao Covid-19. Quero parabenizar ao governador Flávio Dino pela a sensibilidade na concepção deste auxilio, que se junta a outros auxílios em curso através do Governo do Estado, no sentido de minimizar os efeitos da pandemia na nossa população, principalmente os mais carentes”, disse Márcio Honaiser, agradecendo ainda aos deputados que aprovaram, por unanimidade, a criação do auxílio.

Projeto

O Auxílio Cuidar será no valor de R$ 500,00 e será pago mensalmente até o alcance da maioridade civil (21 anos). Para serem beneficiadas, as crianças e adolescentes devem possuir moradia fixa no Maranhão há pelo menos um ano antes da orfandade completa e cuja família possuísse renda não superior a três salários mínimos.

“Vamos trabalhar agora na edição dos atos normativos, para que possamos iniciar o pagamento do auxílio o mais breve possível”, disse Márcio Honaiser.

Política de Assistência Social

O Projeto de Lei 310/2021, que dispõe sobre a política de assistência social do Maranhão, organizada na forma de Sistema Único de Assistência Social (SUAS), também foi aprovado na sessão de terça-feira (6) na Assembleia Legislativa do Maranhão.

Na mensagem encaminhada, o governador Flávio Dino destacou como fundamentais as ações socioassistenciais executadas pela Sedes durante os primeiros meses de enfrentamento à pandemia de Covid-19, o que garantiu à população acesso aos direitos básicos de saúde.

“O papel dos profissionais do SUAS foi, e continua sendo, fundamental no enfrentamento deste longo período de pandemia, trabalhando de forma incansável para que as pessoas em situação de vulnerabilidade social não ficassem desamparadas. Mais uma vez agradeço ao governador Flávio Dino, pelo encaminhamento do Projeto, e aos deputados que o aprovaram”, afirmou o secretário Márcio Honaiser.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário