Codevasf destinou empenhos de R$ 151 milhões a empresa investigada pela PF PF realizou operação de busca e apreensão nas dependências da Construservice

Codevasf destinou empenhos de R$ 151 milhões a empresa investigada pela PF PF realizou operação de busca e apreensão nas dependências da Construservice

A empresa Construservice, que foi alvo de operação da Polícia Federal (PF) nesta quarta-feira (20) por supostos desvios de recursos federais através da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), tem contratos assinados com a estatal e empenhos que chegam a R$ 151 milhões.

Além da busca e apreensão nas dependências da empresa, a PF também prendeu Eduardo José Barros Costa, apontado como sócio oculto da Construservice.

A CNN teve acesso a um processo da justiça trabalhista do Maranhão que tem Eduardo José e a Construservice como réus em uma ação de R$ 180 mil, o que mostra a existência de uma relação entre o empresário e a empresa.

Em 2020, a Construservice teve dois contratos com a Codevasf. Juntos, os dois contratos somam R$ 12,3 milhões. Apesar disso, o valor pago, até o momento, é de R$ 13,5 milhões, somente para os dois contratos.

Além dos dois contratos, ao baixar os dados brutos da base do portal da transparência, a CNN encontrou empenhos da Codevasf no valor de R$ 151 milhões para a Construservice.

Parte dos recursos empenhados são oriundos de contratos firmados com a empresa via convênios dos municípios beneficiados pelas obras. No entanto, os recursos federais foram empenhados para a Construservice através da Codevasf, conforme dados do Portal da Transparência.

Do total empenhado, R$ 10,9 milhões são empenhos referentes aos dois contratos disponíveis no portal, com uma observação em um dos registros, no valor de R$ 1,3 milhão, que informa que o crédito orçamentário foi indicado pelo Deputado Juscelino Filho (União Brasil-MA).

O restante está dividido entre emendas parlamentares (R$ 86 milhões) e em outros contratos da Construservice com a Codevasf (R$ 53 milhões) que não aparecem no resumo de informações da empresa no Portal da Transparência.

Os empenhos via emenda, estão distribuídos entre as de relator (R$ 67 milhões), emendas dos parlamentares Celio Moura (PT-TO) e Tiago Dimas (Podemos-TO), no valor total de R$ 638 mil; emendas da bancadas parlamentar de Goiás (R$ 5,7 milhões), emendas da comissão de desenvolvimento regional e turismo (R$ 12,8 milhões).

Dos contratos que não constam no Portal da Transparência, R$ 32 milhões dos valores empenhados dizem respeito a um pregão eletrônico da Codevasf, registrado no edital 85/2020, que tem como objetivo a pavimentação de estradas no interior do Maranhão.

Os outros R$ 20,7 milhões empenhados estão ligados a contratos para pavimentação de estradas no Tocantins e no Ceará.

A Codevasf enviou nota à CNN em que informa que os contratos foram firmados diretamente entre prefeituras e a Construservice via convênios, e que a empresa não é responsável por estas contratações.

Em nota pública, a defesa de Eduardo José afirmou entender que a prisão é ilegal e desnecessária, que nunca foi notificado a se pronunciar, que colabora com a investigação e que provará sua inocência. Pede ainda, que se tenha responsabilidade na divulgação das informações.

A CNN procurou os demais mencionados na reportagem, mas não teve resposta até o momento da publicação.

Leia na íntegra a nota da defesa de Eduardo José:

A defesa de Eduardo José Barros Costa, entende, com base no ordenamento jurídico pátrio, ilegal e desnecessária a prisão temporária de seu constituinte.

Informa que tudo o que há nos autos do inquérito policial em curso é fruto apenas do início da investigação e da visão unilateral da Polícia e do Ministério Público sobre os fatos; que ele nunca sequer foi notificado para falar, apresentar documentos e/ou quaisquer outras manifestações defensivas; que, a partir de agora, colabora com a investigação — que corre em segredo de justiça — esperando ter a oportunidade de prestar os devidos esclarecimentos, com os quais demonstrará sua inocência. Inocência, aliás, que deve ser presumida por força de expressa disposição constitucional!

Concita, por fim, a que se tenha muita responsabilidade na divulgação de fatos, alegadamente graves e sigilosos, evitando pré julgamentos (conjecturas ou suposições) baseados em informações incompletas ou unilaterais, que poderão, inclusive, ensejar futuras demandas reparatórias.

Posicionamento da Codevasf

Em atenção a reportagens que mencionam a Codevasf no contexto de operação da Polícia Federal realizada nesta quarta-feira (20) no Maranhão, a Companhia informa:

1. O processo associado à operação policial tem por objetivo investigar a contratação da empresa Construservice por prefeituras municipais do Maranhão, com o emprego de recursos federais provenientes de convênios.

2. Os dois convênios que motivaram as ações de busca e apreensão não são de responsabilidade da Codevasf. Assim, a ação policial foi empreendida não em face da Companhia ou de qualquer de seus dirigentes ou empregados — ela foi destinada a apurar eventuais irregularidades em contratos de prefeituras com a empresa Construservice.

3. Em qualquer caso, no contexto da execução de convênios, compete às prefeituras municipais realizar os procedimentos licitatórios e as contratações necessárias ao emprego adequado de recursos orçamentários.

4. A Codevasf colabora com o trabalho das autoridades policiais e proverá suporte integral às investigações. A Companhia mantém compromisso com a elucidação dos fatos e com a integridade de seus projetos de desenvolvimento regional. Por rigor no controle de procedimentos, a Empresa submeterá à avaliação de sua Auditoria Interna todos os contratos firmados com a empresa Construservice.

*Com informações da CNN

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário