Dinheiro, lancha, carros de luxo, joias e armas e são apreendidos durante operação Operação Maranhão Nostrum foi realizada em 14 cidades do MA

Dinheiro, lancha, carros de luxo, joias e armas e são apreendidos durante operação Operação Maranhão Nostrum foi realizada em 14 cidades do MA

A Operação Maranhão Nostrum, defagrada na manhã dessa quarta-feira (06) em 14 cidades do Maranhão apreendeu documentos, computadores, cheques, dinheiro, joias, veículos e lanchas.

Caption 3

Jóias foram apreendidas

Caption 4

Decisão judicial determinou apreensão de veículos

Gaeco 5

Lanchas também foram apreendidas

Em Pinheiro, um dos municípios onde as equipes atuaram, um homem foi preso por posse ilegal de arma de fogo.

A operação, realizada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do Ministério Público do Maranhão, cumpriu mais de 60 mandados de busca e apreensão, em 14 municípios do Maranhão e na cidade de Várzea Alegre no Ceará.

Gaeco 6

Dinheiro em espécie e cheques foram encontrados

Gaeco 8

Operação aconteceu em 15 cidades

Gaeco 7

Um homem foi preso por posse ilegal de arma

Participam da operação 54 equipes da Polícia Civil, além de promotores de justiça e servidores do Gaeco integrantes dos núcleos de São Luís, Imperatriz e Timon, bem como promotores de justiça das Comarcas de Maracaçumé, Zé Doca, Santa Inês e Guimarães, além de servidores públicos.

A decisão judicial também determinou o bloqueio de contas e aplicações bancárias dos envolvidos até o limite de R$ 159.745.884,37, total de recursos públicos que teriam sido movimentados pela organização.

INVESTIGAÇÃO

A Operação Maranhão Nostrum investiga possíveis fraudes em processos licitatórios para contratação da empresa Águia Farma Distribuidora de Medicamentos Ltda. nos municípios maranhenses de Araguanã, Carutapera, Centro do Guilherme, Maranhãozinho, Pedro do Rosário e Zé Doca entre os anos de 2014 a 2018.

De acordo com o Gaeco, os indícios apontam para a presença de um núcleo político liderado por Josimar Cunha Rodrigues que, por exercer forte influência nos municípios de Araguanã, Carutapera, Centro do Guilherme, Maranhãozinho, Pedro do Rosário e Zé Doca, formou uma rede especializada na dilapidação de recursos públicos.

Para isso, foi necessário que houvesse um núcleo dos “laranjas”, ou seja, as pessoas físicas que cediam suas contas bancárias para as movimentações financeiras criminosas.

Ainda segundo as investigações, foi constatado que Josimar Cunha Rodrigues ordenava e liderava a organização criminosa que envolvia cerca de 40 pessoas, dentre elas, sócios de empresas que contratavam com Prefeituras maranhenses ligadas a ele, vereadores, funcionários da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão, funcionários públicos municipais e familiares.

O objetivo de obter vantagem econômica ilícita era concretizado por meio de licitações fraudulentas, prática de peculato e por meio de transferências suspeitas que apresentam indícios de “lavagem” de dinheiro.

ORIGEM DO NOME

A Operação Maranhão Nostrum recebeu esse nome em alusão ao “Mare Nostrum”, termo latino que significa “O Nosso Mar”, dado ao Mar Mediterrâneo pelos romanos, após a conquista de extensões territoriais que os tornavam dominadores da província romana da Hispânia até a do Egito. No presente contexto, a tendência de dominação e poder em diversos municípios mostrou uma organização criminosa com controle da máquina pública para malversação de recursos e práticas ilegais que beneficiam ao mesmo grupo político.

Luis Augusto

Luis Augusto

Deixe um comentário