Mais de 80% dos lojistas devem contratar funcionários para o Natal em São Luís O fim de ano é um período aguardado pelo comércio em geral pelo aumento natural nas vendas.

Mais de 80% dos lojistas devem contratar funcionários para o Natal em São Luís O fim de ano é um período aguardado pelo comércio em geral pelo aumento natural nas vendas.

Oito em cada dez lojistas de São Luís pretendem contratar funcionários temporários para trabalhar no fim do ano. O otimismo do comércio tem a ver com o avanço da vacinação, que tem reduzido os casos de Covid-19 no Maranhão.

O fim de ano é um período aguardado pelo comércio em geral pelo aumento natural nas vendas. Desta vez o setor quer recuperar os prejuízos provocados pela pandemia de Covid-19. A expectativa de aumento de 3,4% por dois motivos: redução nos números da doença e avanço da vacinação.

O diretor da Câmara de Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL), José Terceiro, diz que a chegada do pagamento do 13º salário aos trabalhadores também vai colaborar para o aumento das vendas, que consequentemente é um fator positivo para a contratação de funcionários no comércio da capital.

“Com o avanço da vacinação, o pleno funcionamento do comércio e a retomada dos serviços, o que dá uma grande aspiração, uma grande esperança para o lojista recuperar uma parte desse tempo perdido nesse período pandêmico. Nós acreditamos que com a injeção do 13º salário o comércio, realmente, vai ter um crescimento bem aceitável em relação aos anos anteriores”, explicou José Terceiro.

Para atender a demanda, o comércio deve contratar 10% a mais que no ano de 2020. Segundo a Confederação Nacional do Comércio, cerca de 15% das vagas começam a ser preenchidas em setembro e outubro. O setor de vestuário é o que mais contrata. A taxa de trabalhadores efetivados após o fim do ano pode aumentar de 15 para 27%, dependendo da reação da economia.

O superintendente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio-MA) , Max de Medeiros, pontua que mais de 80% das empresas vão ampliar o seu quadro de funcionários com a proximidade das festas de fim de ano em São Luís. “85% das empresas do comércio de São Luís indicaram que devem ampliar seus quadros de funcionários nos próximos meses. Isso é um reflexo do avanço da vacinação contra Covid que vem retomando a confiança dos empresários na retomada da economia”.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário