Maranhão firma acordo para expandir acesso a desconto na conta de luz

Maranhão firma acordo para expandir acesso a desconto na conta de luz

Maranhão firma acordo para expandir acesso a desconto na conta de luz

Segundo levantamento da Equatorial, o Maranhão possui 958 mil famílias no Tarifa Social, alcançando cerca de 5 milhões de pessoas, mas 229 mil ainda podem receber o benefício.

 

O Governo do Maranhão e a Equatorial Energia, que controla a distribuição de energia em todo o estado, assinaram nesta quarta-feira (1º) um termo de cooperação para busca ativa de potenciais beneficiários dos programas Tarifa Rural e Tarifa Social, que concede descontos escalonados na conta de luz.

Pelo acordo, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) disponibilizará sua base de dados para que um cruzamento Equatorial como informações com seus cadastros, encontre novos consumidores que se enquadram no Tarifa Social, e repasse os nomes para uma Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) , que fará o contato com os futuros beneficiados, explicando como eles podem se cadastrar no programa.

Governo do Maranhão firma acordo com Equatorial para expandir acesso a desconto na conta de luz (Foto: Nael Reis)Reunião entre Governo e concessionária resultou na assinatura de termo de cooperação (Foto: Nael Reis)

Segundo Carlos Lula, secretário de Saúde, uma cooperação é fundamental para permitir “um caminho simples inverso” no cadastro e o aumento do número de beneficiados. “Em vez da família procurar um Equatorial pra ter acesso a Tarifa Social, a Equatorial, com base nos dados que a gente já tem no Sistema Único de Saúde, vai conseguir encontrar essas famílias que às vezes nem sabem que têm direito a esse tipo de desconto ”, esclarece.

Em outra frente de trabalho, a distribuidora de energia alongá esforço conjunto com a Secretaria de Agricultura Familiar (SAF), Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima) e Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp) para implementar medidas que visem cadastrar novos consumidores, tanto no Tarifa Social como no Tarifa Rural.

Levantamento da Equatorial aponta que o Maranhão possui 958 mil famílias no Tarifa Social, alcançando cerca de 5 milhões de pessoas, mas 229 mil ainda podem receber o benefício, sendo que 92 mil residem na zona rural. O calculo é que, de modo geral, 240 famílias da zona rural podem receber algum tipo de desconto na conta de luz.

Sérvio Túlio, presidente da Equatorial Energia, explica que o objetivo é colocar o Maranhão como o estado que tem o melhor índice de aproveitamento dos benefícios. “Trata-se de uma parceria público privado que busca ampliar a nossa base de cadastro de clientes que fazem jus à Tarifa Social de energia elétrica. Então, é um benefício que muitos maranhenses ainda têm direito e a gente precisa identificar quem são. E essa parceria vai permitir cada vez mais a gente atingir os números que permite colocar o Maranhão com o estado e a federação com o melhor índice de aproveitamento deste indicador”, completou.

O governador Flávio Dino foi o anfitrião do reunião, que ainda teve a participação dos secretários Rodrigo Lago (SAF), Sérgio Delmiro (Sagrima), o presidente da Agerp, Júlio Mendonça, e membros da Equatorial, como Francila Soares, gerente de relacionamento com clientes, Adaildo Andrade, executivo de gestão de cadastro, e Carlos Hubert, executivo de comunicação e marketing.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário