Pastor acusado de propina investiu R$ 100 mil para abrir faculdade Gilmar Santos é apontado como um dos lobistas que faziam a ponte entre prefeitos e o Ministério da Educação

Pastor acusado de propina investiu R$ 100 mil para abrir faculdade Gilmar Santos é apontado como um dos lobistas que faziam a ponte entre prefeitos e o Ministério da Educação

O pastor Gilmar Santos, um dos supostos lobistas que atuavam em um esquema que recolhia propinas de prefeitos para facilitar a liberação de recursos junto ao Ministério da Educação (MEC), investiu R$ 100 mil para abrir uma faculdade de cursos em teologia, informa uma reportagem do jornal O Globo.

Segundo a publicação, a faculdade Instituto Teológico Cristo para Todos (ITCT) foi aberta no último dia 8 deste mês, duas semanas antes de as denúncias virem à tona.

Ao lado do pastor Arilton Moura, Gilmar aparece em encontros em Brasília e em eventos religiosos em cidades do Brasil que revelam a proximidade dos pastores com o presidente Jair Bolsonaro (PL), seu filho senador Flávio Bolsonaro (PL) e com o ministro da Educação, Milton Ribeiro.

Arilton, inclusive, foi citado pelo prefeito Gilberto Braga (PSDB), de Luís Domingues (MA), como ponte para a liberação de recursos junto ao MEC. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o pastor cobrava outros R$ 15 mil apenas para abrir protocolos de demanda no ministério. Depois que a demanda fosse atendida, outro valor era solicitado, o que poderia variar de caso a caso. “Para mim, como a minha região era área de mineração, ele pediu 1 quilo de ouro”, revelou.

MEC

Nas redes sociais, Gilmar Santos aparece como diretor da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus no Brasil e da faculdade ITCT. O curso, com duração de um ano, cobra R$ 69,90 por mês de seus alunos. O endereço da ITCT, segundo O Globo, é o mesmo da igreja no nome do pastor e de outras empresas que também estão no seu nome.

A ITCT, assim como toda instituição de ensino superior, precisa do registro do MEC para funcionar. Há uma série de exigências que a pasta faz para que a instituição possa ter esse registro. O jornal entrou em contato com o ministério para saber a respeito do registro do ITCT, mas ainda não houve resposta.

Já o pastor Gilmar negou que tenha atuado como lobista dentro do Ministério da Educação e que tenha influência em relação ao chefe da pasta, ministro Milton Ribeiro.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário