Polícia Civil incinera mais de uma tonelada de drogas em São Luís Segundo a polícia, a droga destruída é o resultado total de apreensões feitas ao longo do ano passado e no decorrer destes últimos seis meses.

Polícia Civil incinera mais de uma tonelada de drogas em São Luís Segundo a polícia, a droga destruída é o resultado total de apreensões feitas ao longo do ano passado e no decorrer destes últimos seis meses.

Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Senarc) da Polícia Civil do Maranhão incinerou nessa quarta-feira (6), cerca de 1,5 tonelada de drogas apreendidas durante operações realizadas no estado.

Segundo a polícia, a droga destruída é o resultado total de apreensões feitas pela Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico, ao longo do ano passado e no decorrer destes últimos seis meses. A incineração faz parte da Operação Narco.

Entre as ações da Operação Narco, uma das mais recentes foi a realizada no dia 31 de março deste ano, quando a Senarc conseguiu destruir uma plantação de maconha, na zona rural da cidade de Turiaçu, interior do Maranhão.

Ainda no mês de março, dia 23, os policiais também localizaram uma outra plantação de maconha, no povoado Nadir, em Centro do Guilherme. Duas pessoas foram presas e 20 quilos da droga foram apreendidos.

Já em 2021, no dia 23 de junho, duas pessoas foram presas em flagrante, também durante a Operação Narco. As prisões foram em Palmeirândia, que fica a 115 km de São Luís.

O mandado foi expedido pelo Poder Judiciário do município de São Bento. Durante esta ação, que contou com a participação de policiais civis da 5ª Delegacia Regional de Pinheiro e de policiais militares do 10ºBPM, foram encontradas 43 porções de substância análoga a crack, 14 porções de substância análoga a maconha, uma arma de fogo artesanal, pólvora, chumbo, espoleta, uma arma de choque e R$ 4.500,00 em dinheiro trocado.

Após serem apresentados na delegacia de polícia para serem submetidos aos processos legais, os dois presos foram encaminhados a unidade prisional onde ficam à disposição da Justiça.

Luis Augusto

Deixe um comentário