Sampaio será notificado pelo Procon por proibição de camisa do Vasco

Sampaio será notificado pelo Procon por proibição de camisa do Vasco

A Instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor (Procon) do Maranhão irá notificar o Sampaio Futebol Clube pela proibição do uso de camisas do Vasco durante o jogo no sábado (9), no Castelão, onde os dois times vão se enfrentar. A declaração foi dada pela presidente do instituto, Karen Barros, ao Portal Guará.

A decisão do Sampaio de proibir a entrada com a camisa do time visitante no Castelão foi publicada na segunda-feira (4) nas redes sociais do time. Para Karen Barros, entretanto, a medida é abusiva: “Ao fazer isso, eles limitam o poder de decisão do consumidor. Há uma condição para a venda do ingresso e entrada no estádio”, pontuou.

De acordo com a assessoria de comunicação do Sampaio, contudo, o clube está apenas seguindo um protocolo imposto pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). “Estamos em eventos-teste, então para a gente ter a presença do torcedor até o final do campeonato, temos que cumprir essas regras”, explicou o assessor, Wanderson Mello, em vídeo publicado no Instagram.

O documento da CBF é datado de agosto de 2021. Nele, especifica-se que “será permitida apenas a presença da torcida do clube mandante, a fim de se evitar deslocamentos de torcedores de outras localidades”. Na última quinta-feira (30), aconteceu jogo do Sampaio contra o Remo no Castelão, no qual estas regras também seriam vigentes. Neste jogo, entretanto, não houve veto à vestimenta da torcida visitante – motivo pelo qual, segundo Wanderson, o clube foi chamado atenção.

Anteriormente, o Sampaio havia colocado como obrigação para a entrada o uso da camisa do Sampaio, mas o time voltou atrás pois se configuraria como venda casada. Agora, além da camisa do time da casa, estão permitidas vestimentas neutras, mas que não façam alusão ao time visitante.

Após a publicação desta matéria, Karen Barros entrou em contato com o Portal Guará reconhecendo que a proibição da torcida de fora está realmente prevista pela CBF. “Há previsão de proibição entrada de torcedor visitante. Mas a questão da camisa do Sampaio continua errada”, afirmou.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário