Seleção dos artistas que irão participar da criação de murais coletivos no Maranhão e Pará

Seleção dos artistas que irão participar da criação de murais coletivos no Maranhão e Pará

O Arte em Cores, iniciativa que se dedica à valorização da arte urbana, vai levar a Alto Alegre do Pindaré a ação de encerramento da segunda edição do projeto. Após a avaliação das 49 obras produzidas em 11 municípios do Pará e do Maranhão e do Pará e realizadas pelos selecionados na primeira etapa do projeto, os 10 artistas que mais se destacaram, sendo cinco maranhenses e cinco paraenses, foram selecionados para participar da criação de dois murais coletivos durante eventos de encerramento do projeto.

No Maranhão, o evento acontecerá nos dias 20 e 23 de julho. Além da criação do mural, haverá oficinas gratuitas de pintura. O projeto é realizado por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio do Instituto Cultural Vale.

A seleção foi realizada por um júri especializado, formado por Gilberto Scarpa, coordenador do projeto, André Amparo e Fhero, ambos instrutores do Arte em Cores. Eles destacam a qualidade das obras, com traços e estilos diversificados, dando enfoque à autoralidade e personalidade das criações.

Do Maranhão, foram selecionados: Kailany, de São Pedro da Água Branca; João Costa e Vitória Cavalcante, de Alto Alegre do Pindaré; Lea, de Açailândia, e MS Graffit, de Pindaré‐Mirim. E do Pará: Bino Sousa, Carla Bianca e Bosco, de Marabá; e Franart e Oiram, de Parauapebas.

As obras individuais dos 49 artistas participantes da 2ª edição do Arte em Cores trouxeram mais cor e beleza para alguns ambientes urbanos de 11 cidades do Pará e do Maranhão que foram contempladas pelo projeto. Inspirados em técnicas como grafite e estêncil, os artistas transformaram muros de escolas, clubes e de áreas próximas a praças, dentre outros espaços públicos, em telas de arte urbana. Em breve, todas as obras serão divulgadas na Galeria Virtual do Arte em Cores, no site www.arteemcores.art.br .

Projeto ajuda a transformar a paisagem das cidades

Viabilizado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio do Instituto Cultural Vale e realização da Vivas Cultura e Esporte e Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo, o projeto Arte em Cores tem o objetivo de dar visibilidade a artistas das cidades onde atua. Nesta edição do projeto, foram destinados mais de R$ 120 mil, distribuídos entre prêmios e ajuda de custo para a realização das obras e participação no Arte em Cores.

Serviço:
Resultado da 2ª seleção do Arte em Cores: https://bit.ly/ResultadoAEM
Locais das obras realizadas pelo projeto: https://bit.ly/LocaisObras

Evento de realização do mural coletivo no Maranhão:
Alto Alegre do Pindaré – 20 a 23 de julho
Praça Osano Queiroz (esquina com Rua J. P. de Almeida e Avenida João XXIII) Centro

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário