Valor de refeições nos Restaurantes Populares será de R$ 1,00 real a partir de segunda-feira (22)

Valor de refeições nos Restaurantes Populares será de R$ 1,00 real a partir de segunda-feira (22)

Por meio de decreto publicado na última quarta-feira (17), o governador Flávio Dino reduziu o valor da refeição (almoço e jantar) para o valor de R$ 1,00 real nos 60 Restaurantes Populares do Estado. A medida visa proteger as famílias que vivem em situação de vulnerabilidade social durante a crise nacional. Os Restaurantes Populares são gerenciados pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social (Sedes), por meio da Secretaria Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional. O novo valor das refeições passa a valer a partir da próxima segunda-feira (22).

“A alimentação é um direito fundamental social inerente à dignidade da pessoa humana e indispensável à realização dos demais direitos, cabendo ao Poder Público, que disciplina o Sistema de Segurança Alimentar e Nutricional, adotar políticas e ações que se façam necessárias para promover e garantir a segurança alimentar e nutricional da população”, pontou o governador Flávio Dino.

O secretário da Sedes, Márcio Honaiser, ressalta que a medida visa o fortalecimento da segurança alimentar e nutricional da população em situação de vulnerabilidade social neste momento de crise econômica e sanitária.

“Parabenizo mais uma vez o governador Flávio Dino pela preocupação com a população de baixa renda neste momento de crise sanitária e econômica na qual vivemos. Hoje temos restaurantes populares em pleno funcionamento em 60 municípios maranhenses, entre eles, naqueles de menor IDH. Ações pontuais como essa, que o governador Flávio Dino vem adotando, ajudam a minimizar a fome daqueles que mais precisam”, esclareceu o secretário.

Atualmente, o Maranhão conta com a maior rede do Brasil de restaurantes populares, 60 restaurantes. E na próxima segunda-feira (22) o Governo do Maranhão, por meio da Secretaria do Desenvolvimento Social (Sedes), entregará o 61º Restaurante Popular do Maranhão, desta vez na cidade de Caxias.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário