Dois ex-estudantes da rede pública do Maranhão participam do projeto “Crie o Impossível” em Porto Alegre

Dois ex-estudantes da rede pública do Maranhão participam do projeto “Crie o Impossível” em Porto Alegre

O evento é uma grande sala de aula a céu aberto, que vai acontecer este ano no estádio Beira Rio, em Porto Alegre, no dia 03 de Junho. Será retransmitido para todo Brasil, tornando-se assim a maior sala de aula aberta do país.

O Crie o Impossível é um projeto que tem a intenção de impactar mais de 100 mil estudantes e que visa inspirar e potencializar alunos de escolas públicas brasileiras, a fim de transformá-los em protagonistas de suas próprias histórias.

O projeto é uma iniciativa do Embaixadores da Educação, uma organização sem fins lucrativos em Belo Horizonte, em parceria com o Sebrae, que prepara também os jovens a participarem de projetos de impacto social. Nesta edição serão mais de 1 milhão de reais em prêmios. Incluindo bolsas de estudo integral para faculdade, intercâmbio de idiomas, dentre outros prêmios.

MARANHENSES NO CRIE

O Maranhão será representado por dois Ryans, um é o Ryan Pablo Melo Silva, que foi estudante do Centro de Ensino Maria Iracema Alves de Sousa, na cidade de Governador Nunes Freire e o outro é o Ryan Carlos Matos da Silva, que estudou no Instituto Estadual de Ciência e Tecnologia do Maranhão, núcleo IEMA TIMON, que vão até Porto Alegre participar presencialmente do aulão.

De acordo com Ryan Pablo, o desejo é que os jovens de todo o estado e do país possam assistir ao evento. Ele conta sua história no Crie: “Com a impossibilidade do evento presencial, o Crie decidiu arriscar o evento online, e dessa forma o projeto chegou até a mim. Recebi o convite por whatsapp, e assisti a aula que mudou a minha vida. Depois disso foi tudo se encaixando, participei de programas voluntários, de desafios e escola empreendedora onde conheci o Ryan Matos, lá criamos diversos projetos. E desde então a gente vem se empenhando para que mais jovens de fato possam criar o impossível”, pontuou

Ryan Carlos também pretende inspirar mais jovens: “Por meio da busca ativa por ongs que buscassem impactos sociais dentro das escolas públicas, conheci o Crie o Impossível, então pude participar de diversos trabalhos voluntários, participei de diversos programas e isso abriu diversas portas e conhecer pessoas com histórias incríveis, como o Ryan Pablo, juntos, acreditamos no compromisso do Embaixadores de moldar a educação pública”

SALAS VIRTUAIS NO MARANHÃO

Na cidade de Governador Nunes Freire, será montado uma sala exclusiva de retransmissão, para que os estudantes acompanhem ao evento. Aqui em São Luís, no IEMA São José de Ribamar também será montada uma sala de aula virtual.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas através do site do Crie o Impossível.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário