Eliziane diz que irregularidades no abastecimento foram erros cometidos pelo posto de gasolina

Eliziane diz que irregularidades no abastecimento foram erros cometidos pelo posto de gasolina

A senadora Eliziane Gama (Cidadania) está sendo denunciada por utilizar dinheiro público para fazer abastecimento irregular dos seus veículos. No entanto, a parlamentar esclareceu que houve erros por parte do posto de gasolina no lançamento das notas fiscais, induzindo assim o surgimento da denúncia.

A suposta irregularidade foi apontada pelo relatório da Operação Tanque Furado, desenvolvida pelo Instituto OPS, que analisou a prestações de contas relacionadas com os gastos de combustíveis de 11 senadores, incluindo a parlamentar maranhense.

A operação verificou notas fiscais emitidas nos anos de 2019 e 2020 que foram objeto de ressarcimento de despesas de abastecimentos de veículos de parlamentares, secretários e assessores do Senado Federal.

Consta na denúncia ainda que Eliziane Gama teria sido ressarcida por uma nota fiscal emitida em outubro do ano passado em que constavam 100 abastecimentos, uma média de 3,3 por dia. O maior desses abastecimentos teria sido de 1,4 litro e o menor de 110ml de gasolina.

Por meio de nota, a assessoria da parlamentar informou que a senadora cumpre rigorosamente todas as regras do Senado sobre a prestação de contas do uso da cota de combustível e que, contra ela, não existe nenhuma investigação ou processo sobre uso de combustível. As notas enviadas equivocadamente pelo posto de gasolina são de valores irrisórios e somam menos de R$200,00.

Ainda segundo a assessoria, houve erro do posto de gasolina no lançamento das notas eletrônicas e que o estabelecimento pulverizou o abastecimento em notas menores. Por ordem da senadora, as notas de baixo valor foram questionadas e serão corrigidas pelo posto.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário