Governo distribui medicamento que protege bebês contra vírus que provoca infecções respiratórias O medicamento é disponibilizado pelo Ministério da Saúde

Governo distribui medicamento que protege bebês contra vírus que provoca infecções respiratórias O medicamento é disponibilizado pelo Ministério da Saúde

O governo do Maranhão informou que está distribuindo na rede estadua de saúde o medicamento Palivizumabe, que protege recém-nascidos e crianças no primeiro ano de vida de quadros graves de infecções respiratórias causadas pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR).

O medicamento, disponibilizado pelo Ministério da Saúde, é indicado para bebês prematuros, de até 28 semanas gestacionais, no primeiro ano de vida, e para bebês com distúrbio pulmonar crônico (displasia broncopulmonar) ou cardiopatia congênita, independentemente de idade gestacional ao nascer, até o segundo ano de vida.

Em 2021, foram fornecidos 770 frascos do remédio. As famílias das crianças que necessitam do medicamento podem ter acesso ao mesmo através de um cadastro, que é feito junto aos polos de distribuição.

A consulta é realizada em uma unidade municipal da Atenção Primária, ou na saída da maternidade. Após isso, é feito encaminhamento para um dos polos para que sejam realizados o cadastro e a solicitação da medicação.

LOCAIS DE DISTRIBUIÇÃO

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) mantém atualmente quatro pontos onde o Palivizumabe é distribuído na rede estadual de saúde.

Na capital, o medicamento é disponibilizado na Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão (MACMA) e no Hospital Juvêncio Mattos. Também pode ser encontrado no Hospital Regional Materno Infantil de Imperatriz; e no Hospital Macrorregional Mamede Trovão, em Coroatá.

No Maranhão, outras unidades de saúde da rede pública como o Hospital Municipal de Caxias “Carmosina Coutinho” e o Hospital Materno Infantil, em São Luís, também têm o medicamento disponível.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário