Metade dos maranhenses aprova governo Dino

Metade dos maranhenses aprova governo Dino

Um total de 51,2% dos maranhenses apoia a gestão do governador Flávio Dino. A afirmação é da primeira pesquisa de abrangência nacional do Instituto Datatempo, sobre as administrações estaduais no país. os resultados foram  divulgados na última sexta-feira.

O Maranhão está entre os 14 estados onde a maioria dos eleitores aprova o trabalho dos governadores. Os estados do Acre (83,3%), Bahia (67,7%) e Piauí (66,7%), encabeçam a lista com maiores índices de aprovação dos governos.

A pesquisa questionou eleitores sobre sua percepção quanto à administração dos governadores. Na maioria dos estados, a população classifica o trabalho como ‘ruim’ ou ‘muito ruim’. Os melhores resultados foram registrados em Roraima (49,9%), Paraná (49%) e Acre (45,5%). No Maranhão, esse índice ficou em 24,4%.

O índice negativo também prevalece quanto à expectativa para o fim dos mandatos dos gestores estaduais, faltando pouco mais de um ano para as eleições. A expectativa de 34,1% dos entrevistados é ‘ruim’ ou ‘muito ruim’,  sobre o tempo que ainda resta aos comandantes dos cargos.

O Rio Grande do Norte é o estado que tem a pior perspectiva – 65,7% dos entrevistados não estão otimistas – seguido pelo Tocantins, com uma taxa negativa de 61,6%. No Maranhão, essa expectativa é de 34,6%.

Governos x Bolsonaro

A pesquisa comparou ainda a atuação dos governadores, de modo geral, com a do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com os dados, o trabalho dos governadores é aprovado por 43,9% da população, enquanto o de Bolsonaro tem o apoio de apenas 31,1% dos eleitores.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário