Parlamentares elogiam atuação de Weverton na revisão da Lei de Improbidade

Parlamentares elogiam atuação de Weverton na revisão da Lei de Improbidade

O Projeto de Lei 2.505/2021, de autoria do senador Weverton Rocha (PDT), foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, nesta quarta-feira (29). O projeto altera a Lei de Improbidade Administrativa – Lei 8.429, de 1992. A matéria agora vai para o Plenário da Casa e depois, deve voltar à Câmara dos Deputados.

O texto trata de punições a agentes públicos que lesarem a administração, insegurança jurídica, revogação de práticas ilícitas, absolvição criminal, prescrição retroativa e outros pontos. A condução de caráter unificador e diplomático do senador Weverton Rocha, no decorrer das discussões, foi elogiada pelos colegas de diversas legendas.

“Louvo o esforço do senador Weverton, no sentido de ouvir, dialogar e reduzir danos. Pela demonstração de humildade, ouvindo críticas ao projeto, que muitas vezes se confundem com críticas à pessoa. Concordo com a forma da tramitação e registrarei meu voto sem que seja censura ao esforço de conciliação política feito aqui”, frisou Espiridião Amin (PP). Alessandro Vieira (Cidadania) também ressaltou o esforço do senador Weverton pelo diálogo e solução de problemas.

Álvaro Dias, do Podemos, aplaudiu o trabalho de Weverton. “Um importante projeto, sobretudo, por estarmos vivendo retrocessos imperdoáveis em matéria de combate à corrupção no país, quando se prometeu, em uma campanha eleitoral, a institucionalização de uma política permanente de Estado no combate à corrupção. O senador Weverton, como um ourives competente, vem lapidando uma pedra bruta recebida da Câmara dos Deputados. Desacreditávamos da hipótese de um acordo que nos levasse a avanços significativos e foram apresentados sete pontos que co-substanciam um avanço importante, que temos que reconhecer. O senador Weverton apresenta esse perfil adequado para essa construção”, avaliou.

Para Lasier Martins (Podemos), o relatório foi muito bem construído e nele impera o bom senso. “Recebemos da Câmara dos Deputados um projeto que não era bom. Destaco o papel dedicado do senador Weverton, que foi realmente incansável nesse bom encaminhamento. Esta lei é fundamental para o combate à corrupção no Brasil. E alguns pontos mencionados pelo senador Weverton, no essencial, quase tudo foi acolhido. Haveremos de conceder à sociedade brasileira, uma Lei de Improbidade boa”, frisou.

Antônio Anastasia (PSD) destacou a importância de Weverton na relatoria e condução do projeto. “A atividade parlamentar se reflete, exatamente nesse trabalho realizado com maestria pelo senador Weverton. De fato, tivemos as condições para o aperfeiçoamento da legislação, sem ferimento das instituições ou algum desvirtuamento desse controle. Parabenizo o senador pelo trabalho e habilidade como relato de um projeto tão complexo, na condução desse acordo e com a Câmara dos Deputados, tendo em visto ter sido lá a origem da matéria”, disse.

“Quero parabenizar o senador Weverton, pela capacidade de ser um grande relator, capaz de conciliar opiniões divergentes, de negociar com a Câmara dos Deputados, tarefa essa muito difícil. Esse projeto é testemunho de grande acordo no Senado, uma prova de saber ceder, lado a lado. Portanto, parabenizo o senador”, enfatizou Oriovisto Guimarães (Podemos).

Soraya Thronicke (PSL) destacou o trabalho de Weverton “no avanço nas negociações, pelo acatamento das propostas, pela sensibilidade de que não podemos retroceder nessas questões de combate à corrupção, que tem sido um ponto nevrálgico no nosso país”.

Jorge Kajuru, do Podemos, apontou que “precedentes da Câmara dos Deputados levavam a uma escuridão”. E parabenizou os esforços de Weverton. “Fico feliz em ter aqui a mesma opinião dos colegas e reconhecendo os esforços do senador Weverton, fazendo de tudo para que o Brasil não se decepcione. Esse projeto é a vitória da Democracia, da legalidade e do respeito ao país”, pontuou.

“Estamos blindados, mais uma vez, pelo talento do senador Weverton, que com muita paciência, soube ouvir, dialogar, construir pontes, conversou com a Câmara e oferece um relatório, o melhor possível para conciliar os interesses envolvidos e preservando os instrumentos necessários para a defesa do interesse público e na coibição de atos de corrupção na administração pública federal, estadual e municipal. Um relatório difícil que o senador soube tão bem construir e conduzir”, enfatizou Fernando Bezerra Coelho, do MDB.

Luis Augusto

Posts Relacionados

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem.  Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos.   Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil.  A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox.    O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país.   Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde.  *Com informações da Radioagência Nacional

Depois de vários casos suspeitos e descartados nos últimos 60 dias, o Maranhão registra o primeiro caso de Monkeypox no estado. O caso foi confirmado pela Secretaria Estadual de Saúde nessa quarta-feira. O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável, no hospital estadual Carlos Macieira, que fica em São Luís. Ele mora na capital e não apresenta histórico de viagem. Ainda segundo a Secretaria, outros três casos estão sob investigação. Um na capital e outros 2 no interior do Maranhão. O Brasil tem hoje, segundo o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 2.400 casos confirmados, além de mais de 2.900 casos sob investigação dos órgãos de saúde dos estados. Ou seja, os números podem dobrar já nos próximos dias. São Paulo continua como o estado com maior número de infectados, são mais de 1.600 pacientes com diagnóstico positivo para a varíola dos macacos. Por causa deste cenário, além da vulnerabilidade da população, com a indisponibilidade das medidas de prevenção, como vacinas, o Ministério da Saúde estabeleceu um alerta máximo para acompanhamento da varíola dos macacos no Brasil. A pasta lançou esta semana o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox. O material apresenta informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e dá orientações assistenciais, epidemiológicas e laboratoriais para a gestão dos casos de varíola dos macacos, uniformizando os procedimentos das unidades de saúde em todo o país. Entre as orientações, o Plano destaca ainda que é preciso monitorar o estoque central de medicamentos para tratamento da doença, adquiridos de forma centralizada pelo Ministério da Saúde. O primeiro lote da única vacina disponível no momento contra a variante humana da Monkeypox deve chegar ao Brasil em setembro, segundo informou o Ministério da Saúde. *Com informações da Radioagência Nacional

Deixe um comentário